Especial educação: Aula Paraná e o ensino básico de forma remota no estado

Alunos e professores da rede estadual de ensino se adaptam às novas tecnologias propostas pela Secretaria da Educação

Por Leandro Georgete e Vinicius Silvestrini

Por conta da pandemia global da Covid-19, as aulas presenciais no Estado estão temporariamente suspensas e foram substituídas por aulas a distância desde o dia seis de abril. Com a nova plataforma de ensino, o estado já teve um gasto de aproximadamente 23 milhões. As aulas podem ser assistidas pela TV aberta, canal no YouTube e aplicativo da Secretaria da Educação e tem como finalidade atingir os mais de um milhão de alunos da rede pública de ensino.

A professora de língua portuguesa Yara Oneida Reis da Silva trabalha no Colégio Estadual Professor Brasílio Vicente de Castro, localizado no bairro Cidade Industrial (CIC) em Curitiba e está gravando aulas para as plataformas digitais adotadas pela Secretaria da Educação do Estado do Paraná. Yara conta que recebeu o convite para ministrar as aulas depois de duas professoras da mesma instituição recusarem a proposta. Para ela, as principais dificuldades encontradas foram em relação ao estúdio de gravação pois o mesmo tinha problema no som e no espaço. As gravações são de duas ou três aulas no máximo e não são diárias. Os feedbacks que a professora recebeu foram positivos, não houve críticas, mas com seu amigo foi diferente, o mesmo recebeu “represália” de colegas de trabalho e chegou a desistir das aulas.

A professora Katia Belasque Bauuch é a atual diretora do Colégio Brasílio e afirma que a escola está envolvida com as novas ferramentas de ensino. A equipe pedagógica organizou grupos no WhatsApp para auxiliar os alunos e pais com as informações e também ajudar com dúvidas pertinentes as aulas e as atividades propostas. Katia conta que o controle de frequências é feito através das atividades e também através da presença nas aulas virtuais. “Nessa mudança que estamos enfrentando, acredito que foi a melhor forma que o governo encontrou (para as aulas). Eu acredito que vamos conseguir juntos, realizando o que se pede nesse momento, tudo é para dar certo”.

A aluna do 6º ano Isadora Domingos Bovo é estudante do Colégio Brasílio e apontou que a principal dificuldade encontrada é referente as aulas repetidas e a interação com os professores “Não podemos interagir com o professor que está ministrando a aula”.

Vale lembrar que, durante as aulas os professores das disciplinas de cada turma em seu devido colégio podem interagir com os alunos através do aplicativo Aula Paraná. Nele é proposta algumas atividades e é possível tirar dúvidas com os professores.

Larissa Meyer é estudante do curso subsequente técnico em informática do Colégio Estadual Pedro Macedo e aguarda um posicionamento da SEED em relação às aulas dos cursos técnicos. “Existe uma preocupação apenas com o ensino regular. Porém não acho que se torne viável a aplicação de aulas EAD para o subsequente uma vez que as disciplinas se tornam mais práticas”.

TV Aberta

Os canais das aulas são vinculados a RIC afiliada da Record TV aqui no Paraná. A partir desta quarta-feira (22) haverá um tradutor de libras nas aulas que tem como finalidade a inclusão social. A notícia foi dada pelo secretário estadual da educação Renato Feder no feriado de Tiradentes.

Confira a lista de canais da RIC Record TV por cidades aqui no Estado .

 Aulas pelo YouTube

As aulas são transmitidas também pelo YouTube, em diferentes horários para diferentes anos da educação básica. Podem ser acessadas pelo canal Aula Paraná que já conta com 233 mil inscritos.

Aplicativo Aula Paraná

O aplicativo funciona como como uma sala de aula virtual, onde os alunos tem acesso as aulas transmitidas pela TV e podem interagir com os professores e demais colegas em um chat em tempo real. O Aula Paraná está disponível na loja de aplicativos dos smartphones com sistema operacional Android e iOS.

A Secretaria da Educação destaca que “O Aula Paraná não consome dados de 3G e 4G e pode ser acessado, inclusive, em celulares pré-pagos” visto que o Governo do Estado fez um contrato com as operadoras (Você terá detalhes na terceira reportagem dessa série). A assessoria de imprensa da SEED informou que desde que as aulas começaram, já foram mais de 650 mil downloads do aplicativo em Android e 58 mil em iOS.

Estudantes sem acesso a nenhuma ferramenta

Para os alunos que não possuírem acesso a TV, smartphone e computador a SEED garante que esses poderão retirar as atividades nos colégios quinzenalmente, no dia de entrega dos “kits merendas” e entregá-las até sete dias após a retomada das aulas

Grade Horária

A Grade pode ser acessada pela planilha oficial que é atualizada quinzenalmente. Os horários das aulas são fixos porém a ordem das aulas pode sofrer mudanças.

Vale ressaltar que as aulas estão sendo transmitidas no mesmo horário na televisão e no aplicativo e o aluno conta ainda com a opção de ver as aulas pelo YouTube caso tenha perdido a aula ao vivo.