Hemobanco Curitiba prevê queda de doação de sangue por causa da Covid-19

Por Isadora Vargas e Rafaela Liberato

Diante dos impactos da Covid-19 no Paraná, o Hemobanco Curitiba registrou um estoque de sangue instável depois de determinar medidas de prevenção ao novo coronavírus. Entre as medidas estão o sistema de doação por agendamento, o atendimento de apenas até 20 pessoas no estabelecimento e a pré-triagem antes da doação. De acordo com a enfermeira Lídia Keiko, essa consequência seria inevitável, mas que os doadores estão se mobilizando para continuar a doar.

Mesmo procurando seguir as orientações dos órgãos de Vigilância e Saúde, a coleta de sangue não deve parar. Segundo informações, o Hemobanco estava com as doações na média antes da pandemia. No entanto, devido a diminuição de atendimentos por dia, e o receio de muitos doadores de sair de casa para doar, a queda deve acontecer nos próximos dias. As doações exclusivamente feitas por horário agendado pelo site começaram a ser feitas desde o dia 28, com o objetivo de diminuir a quantidade de doadores por dia no estabelecimento e evitar aglomerações.

Ainda segundo Lídia, todos os colaboradores foram treinados para lidar com a situação e submetidos ao uso de máscaras e aventais durante o atendimento. Todas as poltronas estão sendo higienizadas antes do uso, e o doador não deve ter apresentado febre ou ter estado fora do país nos últimos 30 dias.

Os interessados devem priorizar a retirada de carteira de doador, assim como a retirada de exames, via internet. Para isso, é preciso entrar no site do Hemobanco e seguir os passos. Para agendar uma doação, basta utilizar a ferramenta “agende sua doação” e escolher o melhor dia e horário disponível.

Álvaro Taborda, de 42 anos, fez sua doação de sangue no dia 27 de fevereiro. Ele conta que já é doador de sangue a mais de 18 anos e que sua primeira doação foi motivada por um amigo que estava precisando, mas depois desse acontecimento nunca mais deixou de colaborar. Álvaro complementa dizendo que não pretende ficar sem fazer a doação durante esse período de pandemia, porque entende a importância de continuar ajudando pessoas que precisam do seu tipo sanguíneo, mas que irá tomar todos os cuidados necessários no momento de ir fazer sua doação.

A doação é muito importante para o tratamento não só de doenças como febre amarela, hemorragias e câncer, mas para o tratamento dos pacientes que apresentam sintomas mais graves do COVID-19. Esses podem precisar de transfusão após apresentarem complicações respiratórias ou a falência de alguns órgãos.

Sabendo desses riscos e percebendo a baixa no estoque, foram feitas diversas campanhas em redes sociais e meios de comunicação. Devido a esse alerta Tocantins, São Paulo e Distrito Federal conseguiram ter uma rápida recuperação. Já o Paraná que antes tinha uma média de 80 a 100 doadores, têm recebido menos de 40 pessoas para colaborar.

Apesar das recomendações feitas pelo Ministério da Saúde para que as pessoas fiquem em isolamento social, os serviços de doação de sangue não são contra-indicados, pois são feitos em lugares seguros. Caso você queira ser um doador confira abaixo algumas instruções.

Requisitos para doar sangue durante a pandemia:

  •  Se submeter a triagem antes do atendimento, onde serão feitas algumas perguntas e medida a temperatura.
  • Não ter estado fora do país nos últimos 30 dias.
  • Não apresentar ou ter apresentado febre.
  • Se teve diagnóstico clínico ou laboratorial da COVID-19, aguardar pelo menos 30 dias depois da recuperação total da doença.
  • Se teve contato com alguém que teve diagnóstico clínico ou laboratorial da COVID-19, aguardar pelo menos 14 dias após o último contato.
  • Se fez doação de sangue e apresentou sintomas de febre, mal estar, tosses e espirros até 14 dias após, avise o banco de sangue imediatamente através do telefone 3023-5545.
  • Atender a todos os outros requisitos estipulados pela legislação.