Várias vozes

Grupo Abaré, turma de Regência e Coro Juvenil do Moinho se apresentaram no mesmo dia, marcando o encerramento do Coral da Oficina

Encerramento da turma de Regência de Coro adulto, no Teatro da Reitoria. (foto: Giovana Lucas)

Nos últimos dias da Oficina de Música de Curitiba, é comum que os alunos se apresentem em concertos de encerramento, nos quais aquilo que foi ensaiado nos cursos ou nas práticas de conjunto é mostrado ao público. A maior parte desses recitais é gratuita. Para Abel Rocha, responsável pela Direção Artística de Música Erudita da oficina, essa é uma forma de “devolver” à cidade o investimento na formação musical.

Às 20 horas de sábado (25/01), foi a vez de a turma que estudou Regência de Coro Adulto, com as professoras Mara Campos e Lúcia Passos, dar esse retorno. O concerto aconteceu no Teatro da Reitoria. Antes da apresentação no teatro, o grupo vocal Abaré, vindo de Florianópolis, executou uma abertura no saguão.

Grupo vocal Abaré, que abriu a apresentação. (foto: Giovana Lucas)

No concerto da turma de Regência, os próprios alunos montaram um coral, e se revezaram para reger dez canções, que iam do barroco ao contemporâneo, inclusive com composições brasileiras. Cada regente se apresentava, dizendo de onde vinha, e também falava um pouco sobre a obra que iria executar.

Os alunos da oficina se revezaram para reger o coral. (foto: Giovana Lucas)

Em seguida, o Coro Juvenil do Moinho, criado na Universidade de Caxias do Sul, apresentou o seu espetáculo Contrapontos. Foram cantadas 13 músicas, sem que houvesse, no entanto, uma divisão exata entre uma e outra. A apresentação foi bastante dinâmica, com os jovens se movimentando pelo palco e refazendo o posicionamento constantemente.

Com figurinos bem personalizados (e “esfarrapados”), o coral trouxe ao show uma seleção de músicas representativas, que buscavam dar espaço a grupos marginalizados e deixar uma lição de respeito. Como um verdadeiro coral, ali estão várias vozes. A regente Cristiane Ferronato considera esse trabalho como bem-sucedido. “A gente acredita que se afinar vai muito além da voz, e acho que, nesses jovens, conseguimos mostrar isso”.

Coro Juvenil do Moinho, em “Contrapontos”. (foto: Giovana Lucas)

Deixe uma resposta