Manifestantes protestam em frente à ALEP

Um dos eventos da Greve Geral da Educação levou participantes da paralisação até a Assembleia Legislativa para pressionar deputados.

Manifestantes, que se concentravam em frente ao prédio histórico da Universidade Federal, na Praça Santos Andrade, caminharam até a Praça Nossa Senhora da Salete, no Centro Cívico, na manhã desta quarta-feira, em Curitiba. A passeata tinha por intenção pressionar os deputados da Assembleia Legislativa do Paraná.

Participaram alunos e servidores das redes de educação municipal, estadual, federal e privada, além de representantes sindicais, centros estudantis e outros apoiadores do movimento. Muitas frentes estavam lutando ao mesmo tempo, pelos mesmos objetivos. Manifestavam sobretudo pela manutenção das verbas para universidades públicas, mas também como resistência à proposta de reforma da previdência.

A estudante da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Débora Ferreira, de 21 anos, destacou a diversidade do público presente. “Tem bastante gente e a situação está bem pacífica”, declarou.

A passeata chegou em frente à Assembleia Legislativa um pouco antes do meio dia, conforme havia sido previsto. Mesmo com a garoa e temperatura de 15 graus, o público compareceu. Por volta das 11 horas, um organizador da CUT (Central Única dos Trabalhadores) colocou como estatística cerca de 15 mil pessoas participando do protesto. Logo em seguida, a PM estabeleceu que havia entre 3 e 4 mil manifestantes.

Uma das participantes foi Tatiane Nicolau, de 46 anos, que cursa licenciatura em Artes Visuais na Embap, a Escola de Música e Belas Artes do Paraná, hoje um dos campus da UNESPAR. De acordo com ela, a escolha pela paralisação foi uma decisão de todos os estudantes, após uma reunião com o DCE (Diretório Central Estudantil) da universidade. “A gente entende que é importante aderirem a esse movimento, porque o corte prejudica diretamente não só os professores, mas os estudantes”, disse.

O aluno de Direito da UFPR Eduardo Mendes, de 17 anos, também disse que o posicionamento da universidade, contra o corte de verbas e a Reforma da Previdência, foi estabelecido em assembleia com os estudantes.

Walkiria Olegário Mazeto, integrante da direção da APP sindicato (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná), definiu a passeata como bem-sucedida.  De acordo com ela, a manifestação foi recebida pelos deputados estaduais, e a meta é que levem as reivindicações aos deputados federais.

As estatísticas divulgadas pelos organizadores ao fim da passeata indicavam que cerca de 30 mil pessoas participaram em algum momento do evento. A passeata foi encerrada com um convite a participar da programação da Assembleia Legislativa na semana que vem, quando os deputados vão discutir os projetos relacionados à educação.

Giovana Lucas é estudante do 3º período do curso de Jornalismo da Universidade Positivo.

Deixe uma resposta