Alunos do CEP organizam movimento contra corte na educação

Grupo de estudantes do CEP, que cursam o ensino médio e o ensino técnico na instituição, organizaram por redes sociais a presença na greve nacional da educação.

Estudantes do Colégio Estadual do Paraná marcaram presença na greve nacional da educação contra o corte de gastos nas universidades e contra o governo do presidente Jair Bolsonaro. Segundo os estudantes, aproximadamente 70 pessoas do ensino médio e do ensino técnico da instituição estadual de ensino participam do movimento. Os alunos saíram a pé cantando palavras de ordem num trajeto do CEP até a Praça Santos Andrade.

70 estudantes participaram do ato na manhã desta quarta-feira (15) contra o corte no orçamento das universidades federais (Foto: Johan Gaissler/RedeTeia.com)

Os estudantes se juntaram e aderiram aos protestos para o dia da paralisação pelo WhatsApp, e confeccionaram faixas e cartazes em protesto, além de vestirem o uniforme do CEP. O movimento é estudantil e independente, sem um líder e sem vínculos com grêmios.

Nicole Medeiros tem 18 anos e está no quarto ano do Ensino Técnico no Colégio Estadual do Paraná. Para ela, o momento que a educação brasileira vive é crítico: “A gente tem que ir à luta, porque vai prejudicar não só o Paraná, mas sim o Brasil inteiro. O corte [de gastos] não é pequeno”. O Ministério da Educação anunciou no fim do mês de abril que cortaria em 30% os repasses às universidades federais, o que compromete a funcionalidade da Universidade Federal do Paraná (UFPR), por exemplo. “Eu estou no quarto ano do ensino técnico, eu quero tentar uma vaga na Federal [do Paraná]. É um direito meu”, completa a estudante.

O Colégio Estadual do Paraná funcionará normalmente hoje. Os alunos que não aderiram ao movimento não foram para as aulas ou ficaram em casa. Diversos movimentos sindicais, universitários e estudantis organizaram um cronograma para a paralisação de hoje na Santos Andrade. A programação contém atos em protesto até às 9 da noite.

Johan Gaissler é estudante do 3° período de Jornalismo da Universidade Positivo.

Deixe uma resposta