Camerata Antiqua apresenta espetáculo em comemoração à Semana Santa

Em comemoração ao aniversário de 45 anos, Camerata Antiqua de Curitiba interpretou obras de Giovanni Battista Pergolesi e Johann Sebastian Bach, dois dos maiores compositores do período barroco

Seguindo a programação da Temporada 2019, a Camerata Antiqua de Curitiba (CAC) apresentou, na tarde deste domingo (14), Mors et Vita (Morte e Vida), sob regência de Tobias Volkmann, no Santuário Nossa Senhora do Guadalupe. A temporada 2019 da Camerata está com uma programação especial, em comemoração aos 45 anos de existência.

Com repertório em grande maioria de caráter erudito, todo ano a CAC promove uma série de concertos gratuitos por toda cidade, tanto em projetos específicos quanto na programação principal. Nela, já ocorreram apresentações em comemoração ao aniversário de Curitiba e dos 45 anos da própria CAC.

Coro feminino em destaque na obra Stabat Mater, de Pergolesi (Rhanna Sarot/RedeTeia.com). 

Seguindo com uma parceria de três anos seguidos com o Santuário Nossa Senhora do Guadalupe, a orquestra e o coro tiveram espaço para apresentar obras do barroco, que remetem à paixão de Cristo. A rede Evangelizar transmitiu toda a apresentação via televisão. “Tivemos o privilégio de sediar por dois anos seguidos as duas obras mais importantes de Bach: as paixões segundo São João e São Mateus, executadas pela Camerata”, disse o padre Reginaldo Manzzotti, pároco do santuário e coordenador da associação Evangelizar é Preciso. “Neste ano, o tema das obras aqui executadas será a dor da Mãe, ao ver seu filho a caminho da morte”, ressaltou, explicando o enredo das obras escolhidas.

O programa foi composto por Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolessi, e a Cantata nº 4 – Christ lag in Todesbanden, de Johann Sebastian Bach. Ambas as composições retratam o período em que Jesus Cristo foi traído e crucificado, escolhidas para a celebração de Páscoa deste ano. Diferente da maior parte das peças, Stabat Mater, que focou da dor da Mãe de Cristo em seu enredo, foi executada apenas pelo coro feminino, solistas e orquestra. Ao ser finalizada, o coro masculino subiu ao altar e iniciou-se a Cantata nº4, de Bach. Duetos entre solistas foram os destaques desta obra.

Rhanna Viana Sarot é estudante do 1º período de Jornalismo na Universidade Positivo.

Deixe uma resposta