Evento aborda desafios e inovações no jornalismo

Novas alternativas e mudanças estruturais no modo de produção e circulação de informações foram tratadas por convidados com experiência em TV, rádio, internet e assessoria de comunicação

O jornalismo é uma área essencial à democracia e precisa ser repensado frequentemente. Essa foi a essência e a missão do encontro Jornalismo: desafios contemporâneos e inovação, ocorrido na manhã desta sexta-feira (01) na Universidade Positivo, unidade Santos Andrade. O evento, que marcou o encerramento da semana de recepção aos calouros, contou com a presença de nomes importantes do jornalismo local, como o comentarista esportivo da Rede Paranaense de Comunicação Cristian Toledo, dois dos três fundadores do jornal Plural, Rogério Galindo e Rosiane Freitas, além da diretora de jornalismo da rádio Band News Curitiba, Carolina Gomes, e do sócio-fundador da Central Press, Claudio Stringari.

Cristian Toledo comentou, entre tantos temas, a dificuldade enfrentada pelas mulheres na área esportiva (Foto: Deisiely Oliveira/Rede Teia)

A palestra tratou dos maiores desafios do jornalismo na atualidade e de como a área teve e tem de se reinventar para entender o cenário atual da comunicação. “Estamos vivendo uma mudança profunda e só uma alteração no modo de transmitir a informação vai permitir que o mercado cresça”, disse Cristian Toledo ao comentar sobre como a própria comunicação esportiva vem sofrendo com alterações.

O evento também focou no crescimento das alternativas de mercado dentro do jornalismo, como projetos em assessoria de imprensa e de comunicação, a criação de podcasts e jornais alternativos de nicho. Os fundadores do Plural, por exemplo, comentaram sobre a relevância que a proposta editorial adquiriu enquanto alternativa à mídia tradicional. “Existe a necessidade de ter um jornalismo diferente na cidade e percebemos como as pessoas sentem falta disso. Queremos mostrar como isso é importante para a democracia e para a cidade”, avalia Rosiane.

Carolina Gomes explica que uma das riquezas do jornalismo é possibilitar que os profissionais circulem por diferentes áreas e meios (Foto: Isabela Miranda/Rede Teia).

Já Galindo frisou a importância da renovação da atividade profissional: “O jornalismo vive desse sangue novo que entra todo ano nas universidades. O Plural trata de assuntos que as principais mídias não cobrem. O mundo mudou, a tecnologia mudou, mas o jornalismo não muda nunca. A gente está aqui para defender a democracia, os direitos e fazer um mundo melhor”.

A diretoria de Jornalismo da rádio BandNews Curitiba, Carolina Gomes, explicou que propostas editoriais como a da emissora são exitosas justamente pela capacidade de interagir com o público, o que, na opinião dela, faz do rádio o meio com maior poder de adaptação à internet. “O rádio se aproxima tanto do ouvinte que tem potencial para emocionar e se tornar parte do cotidiano dessas pessoas. Muitas vezes se falou sobre o fim do rádio, mas ele é um sobrevivente, pois se mantém firme, se reinventa e se mantém próximo da internet”, disse.

Cláudio Stringari avalia que o campo do jornalismo não se aproveita de bons nichos de mercado que surgiram com a internet devido à falta de cultura para empreender (Foto: Marilize Basilio/Rede Teia)

Por fim, Claudio Stringari, que procurou a todo momento demonstrar o quanto o jornalismo tem espaço para crescer dentro das organizações, explicou que há diversas formas de empreender. Segundo ele, atividades desempenhadas no início da empresa, fundada há 21 anos, se tornaram obsoletas ou ganharam novos sentidos com o passar do tempo. Por isso, segundo ele, a oportunidade de discutir reconfigurações na atividade profissional é fundamental: “Foi um debate em alto nível, com profissionais muito qualificados e que com certeza inspiraram os calouros e também alunos dos outros anos. Ficou claro que ainda há vida no jornalismo e espaço para profissionais e alunos que são de fato engajados e preparados”.

 

Confira o VT produzido pelos estudantes Gustavo Betim (reportagem) e Anna Buzzi (edição e imagens), Beatriz Ponte e Jenifer Ribeiro (imagens).



Quizzes
Por se tratar de um evento de integração entre os estudantes, além da participação dos convidados, a atividade contou ainda com quizzes e discussões sobre o curso, a área profissional e conhecimentos gerais. Após as falas, os convidados abriram uma roda de perguntas.

A ingressante do curso de Jornalismo Isabela Miranda, de 18 anos, questionou os participantes sobre a questão dos riscos de violência que os jornalistas sofrem no desempenho da profissão. Segundo dados da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), em 2018, o número de denúncias de casos de violência contra jornalistas subiu 36% em relação ao ano anterior. “A gente vê muito jornalista ameaçado, gente que está passando por dificuldades reais. Eu sempre tive muita vontade de trabalhar com política, porque é uma coisa que gosto, mas nesse momento, se eu já estivesse formada, não sei se atuaria com política justamente pelo medo que sinto”, avalia a estudante.

A estudante Victoria Sampaio, do 3° período (Santos Andrade), por outro lado, destacou que a presença dos profissionais fez com que ela se sentisse mais segura a respeito do futuro profissional: “O que gostei foi que a organização do evento trouxe profissionais de várias áreas diferentes. Os convidados trouxeram muitas coisas novas do mercado. Acho que eles trouxeram algumas respostas para quem se preocupa com o futuro”.

Já Larissa Biscaia, de 19 anos, que estuda no terceiro ano, conta que a troca de experiência com pessoas dos mais diversos nichos profissionais traz, além de possibilidades de avaliar novas áreas de atuação, conselhos de quem atua e tem sucesso na vida profissional: “Ter exemplos de pessoas que já estão há mais tempo na vida profissional é sempre bom. Como muitos deles falaram, quando saíram da universidade o cenário era muito diferente”.

Por fim, a estudante do quarto ano Gabriela Lara, de 21 anos, explica que resolveu fazer uma pergunta não apenas pela dúvida em si, mas também para indicar aos ingressantes do curso que todos terão dúvidas a todo momento. “Todo ano temos eventos com profissionais do mercado e isso é muito importante para mantermos vivos esses questionamentos que a gente tem. Hoje eu vim aqui também para mostrar aos estudantes que a curiosidade deve acompanhá-los até o quarto ano”.

Ao final do evento, convidados, professores e alunos participaram do já tradicional “Pão de Queijo e Pirulito”.


Vicente Troiano
é estudante do 3° período do curso de Jornalismo da Universidade Positivo

Deixe uma resposta