O homem e sua dependência da tecnologia

Com muito humor e sincronia, Mateus Solano e Miguel Thiré encenaram a comédia “Selfie” no Teatro Positivo.  A peça retrata a vida de Cláudio (Mateus Solano) e critica a dependência da sociedade contemporânea em concentrar a vida no mundo virtual e esquecer muitas vezes de vivê-la realmente. Miguel Thiré ajuda a compor a trajetória de Claudio na busca pela sua identidade fora da internet encenando 11 personagens ao longo da peça, como a mãe de Cláudio, a namorada, e seu melhor amigo.

Claudio é um homem que tem tecnologias de ponta em suas mãos. A intenção dele é criar um sistema de armazenamento em nuvem que armazenaria todas as informações de sua vida, em seu celular. Porém, antes de ele colocar a empresa no ar, o personagem derruba café em seu aparelho, e tudo o que havia feito e trabalhado é perdido.

A partir daí se inicia um conflito interno de Claudio e externo por parte de seus amigos e parentes, pois, se ele não está em nenhuma rede social, logo, não existe.

A peça é uma mistura de arte corporal e tecnologia, com cenário e sonoplastia feitos na hora pelos atores de uma forma bem simples e trazendo a essência do teatro para os palcos. Os atores conseguem além de fazer o público dar muita risada, provocar uma reflexão de até aonde vai à dependência do homem pela tecnologia.

A estudante Caroline Moraes que assistia ao espetáculo disse que se sentiu tocada pelo tema abordado na peça. “Após assistir essa peça eu vi o quanto é importante mesmo com tanta tecnologia, não esquecer as coisas essenciais da vida, que é necessário sair da tela e olhar em volta porque ali estão os melhores momentos”, disse Carolina.

A peça de autoria de Daniela Ocampo e dirigida por Marcos Caruso foi um dos grandes sucessos do Festival de Curitiba 2015. O ator Miguel Thiré, conta que gosta muito de encenar essa peça, porque acredita que ela envolve, comunica e tem muito a dizer, sendo ao mesmo tempo leve e boa de assistir.

“Para nós, eu, Mateus, Daniela e Caruso termos feito esse projeto nosso e trazer para o maior festival do país, em um teatro desse tamanho, é uma grande realização. E foi lindo, maravilhoso ver que praticamente todos os ingressos foram vendidos com antecedência. Eu espero realmente que o público tenha amado”, finaliza o ator.

O espetáculo foi tão bem aceito pelo público curitibano que foi necessário uma sessão extra. As sessões programadas para o sábado (04) e domingo (05) tiveram seus ingressos esgotados, e então, a produção do show decidiu abrir uma sessão às 16h de domingo que por fim também contou com o teatro cheio.

Alice dos Santos/ Guilherme Dias