“Acabou o pó” conquista o público em estreia no Fringe

Foto: Jorge Camargo
Foto: Jorge Camargo

Nena (Léo Campos) está fazendo as unhas quando a campainha toca e surge Kelly (Alexandre Lino) pedindo café emprestado. “Acabou o pó”, da companhia CineTeatro Produções do Rio de Janeiro,  narra a história de duas vizinhas que, enquanto tomam um café, conversam sobre o marido, ex-marido, filhos, situação financeira, traição e da vida dos outros. A peça, escrita por Daniel Porto com direção de Vilma Mello, faz parte do Fringe e estreou neste sábado (28), no Festival de Curitiba. A apresentação lotou o Miniauditório Guaíra e arrancou gargalhadas do público.
Para Alexander Lino “foi muito bacana interpretar uma mulher no palco. A proposta foi do Daniel, e o Leo também abraçou a oportunidade”, conta ele.  A peça foi escrita pensando nos dois, “e o mais divertido foi a gente não se caracterizar. O teatro nos dá essa possibilidade: dois homens de barba entrarem em cena e dizerem, ‘olha, nós estamos mentindo pra vocês: somos mulheres’, e o público aceita isso”, explica Lino.
Leo Campos participa pela terceira vez do Festival de Curitiba com uma peça que aborda, com humor, o cotidiano de duas mulheres do século 19 em “As Mulheres da Rua 23”, e conta que “Acabou o Pó” é uma visão masculina, “uma forma de dizer como vemos as mulheres, como nossas avós, tias, mães porque todo mundo conhece alguém assim, uma Nena ou uma Kelly da vida. E o barato da peça é justamente esse reconhecimento, todo mundo chega e diz, ‘Ah, eu conheço alguém assim’, e é engraçado como isso nos diverte”, conta ele aos risos.
Serviço

Festival de Curitiba – “Acabou o Pó”.
Quando? Domingo, 29 de março de 2015, às 19 horas e segunda-feira, 30 de
março de 2015, às 19 horas.
Onde? Miniauditório Guaíra.
Os ingressos custam R$ 40 (inteira) e estão a venda nas bilheterias oficiais dos shoppings Mueller, Palladium, ParkShopping Barigui  e pelo site oficial do Festival de Curitiba (www.festivaldecuritiba.com.br).

 

Jorge Camargo , 3º ano noite.